Como se prevenir da queda de cabelo?

Conhecida como calvície, a alopecia androgênica, é um problema que pode afetar a perda total ou parcial dos cabelos, sendo mais comum entre o sexo masculino.

E o que fazer quando o cabelo começa a cair? Deve-se preocupar com grandes quantidades, quando começam a surgir falhas ou até mechas no travesseiro ao acordar.

As principais causas da queda permanente dos cabelos estão ligadas a hereditariedade e aos hormônios masculinos. Ambos promovem o enfraquecimento dos bulbos capilares e influenciam a queda de forma definitiva.

Leia também: O corpo mostra sinais de ansiedade?

Além do mais, podem ser causadas por infecções de fungos ou bactérias; traumas capilares; doenças como tireoides, lúpus e diabetes; estresse e hábitos compulsivos de arrancar os próprios fios de cabelo; excesso de oleosidade, aplicação exagerada de produtos químicos e medicamentos; carência de vitaminas e sais minerais.

Embora existam fatores genéticos e hereditários envolvidos, simples atitudes podem ser tomadas de modo prevenir e reduzir a queda de cabelo:

  • Agressões do dia a dia: minimize a exposição a altas temperaturas e cuide dos cabelos após a prática de atividades físicas. Mantenha-o sempre limpo e hidratado;
  • Genética: dentre as causas mais comuns está a genética. Por isso, se houverem casos na família, procure redobrar os cuidados de forma preventiva e busque um especialista;
  • Estresse: apesar de não ser uma causa direta, pode influenciar na queda capilar. Manter uma vida mais tranquila, sem muito estresse podem contribuir, busque alternativas como de atividades físicas e boa alimentação;
  • Limpeza: lave o cabelo ao menos três veze na semana. Use produtos que fortaleçam os fios, ajude a manter o cabelo saudável e que colabore para princípios ativos do crescimento;
  • Alimentação e hidratação: é importante manter um cardápio rico em sais minerais, vitaminas e proteínas, bem como o consumo de água, que são fundamentais para manter a estrutura do cabelo.

Leia também: Queda de cabelo após COVID-19

Fonte: Biblioteca Virtual em Saúde | Globo