Fibromialgia: dores mais intensas no inverno

A fibromialgia é uma doença crônica que provoca dores generalizadas no corpo. E nas estações mais frias, essas dores podem se intensificar. Por quê? Entenda quais as causas para esse fenômeno.

SÍNDROME DOLOROSA PARA O PACIENTE

Diversas são as manifestações da Fibromialgia, mas o principal sintoma são as dores no corpo. Principalmente de padrão muscular, essas dores são comuns em pacientes com a doença, mas há outros sintomas muito importantes para o diagnóstico correto. Um deles é a fadiga, perdas cognitivas e a sensação de já acordar com cansaço extremo.

Leia também O novo tratamento para Alzheimer: esperança

A Sociedade Brasileira para Estudo da Dor (SBED) estima que 37% da população brasileira convive com essas dores crônicas. Durante anos, acreditou-se que a fibromialgia tratava-se de uma doença de origem psiquiátrica, funcionando como um espectro de uma síndrome conversiva.

A fibromialgia é marcada por dores generalizadas que afetam a rotina.

A síndrome conversiva caracteriza sintomas físicos de ordem neurológica, porém que não têm um motivo real neurológico e podem ser reversíveis através de terapia. De uns anos para cá, muito vem se descobrindo acerca da fibromialgia, como diversas alterações físicas presentes nas pessoas com a doença.

EXISTEM TESTES PARA DETERMINAR A FIBROMIALGIA?

Ainda não é possível fazer testes laboratoriais para definir a presença ou não da doença, apesar de ser possível sim identificar distúrbios neurendócrinos, do sistema nervoso autonômico e mecanismos associados à dor.

Leia também Dor nas costas é consequência de má postura?

É mais comum que os sintomas apareçam entre os 20 e 40 anos. A síndrome costuma também atingir mais mulheres do que homens, epistemologicamente. Anteriormente, o diagnóstico para a doença era feito apalpando-se os pontos dolorosos. Hoje não mais. Agora, o diagnóstico envolve a contagem das áreas com dor para definir o índice de dor generalizada.

As áreas corpóreas como a parte de cima e de baixo dos braços, o tórax, o pescoço e a mandíbula. Mas quando os sintomas são mais graves, constata-se também outros sintomas, como fadiga, acordar cansado, zumbido no ouvido, tontura, insônia, boca seca e alterações intestinais.

CUIDADOS COM A FIBROMIALGIA NO INVERNO

Por ser uma estação de temperaturas mais baixas, no inverno é comum as pessoas apresentarem dores nas articulações. Por isso, os sintomas da fibromialgia também tendem a aumentar junto com as mudanças climáticas.

Leia também Dor nas costas? Cuidado, podem ser cálculos renais

O aumento e diminuição da umidade do ar com as chuvas também influenciam no cuidado que é preciso ter no inverno para evitar as dores. O tratamento consiste em manter atitudes multidisciplinares mesmo no inverno. Acupuntura, hidroterapia, pilates, fisioterapia, osteopatia e psicoterapia são essenciais para manter o corpo em movimento. Portanto, manter uma rotina de exercícios físicos, juntamente com uma alimentação saudável e o controle do sobrepeso ajudam a controlar eventuais sintomas associados.

Além disso, se utilizar de técnicas de relaxamento combinadas com tratamentos farmacológicos é importante para manter a saúde e evitar que a doença se instale, principalmente com rotinas cada vez mais atribuladas.

Aproveite as melhores ofertas para manter seu corpo e sua mente saudáveis.

Fontes: Ministério da Saúde | Guia da Farmácia | Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor (SBED)