Quais problemas podem surgir com a automedicação?

O uso de medicamentos e vitaminas devem ser com prescrição e orientação médica. Apesar de parecer algo inofensivo, e muitas vezes vista como uma solução para o alívio imediato de alguns sintomas, a automedicação pode trazer riscos à saúde.

No Brasil, cerca de 35% dos medicamentos são comprados por pessoas que se automedicam. São vários os fatores que levam as pessoas a essa condição:  confiança na recomendação de algum familiar, conhecido ou amigo e, do mesmo modo, acreditar que podem usá-los de maneira indiscriminada.

Outro fator, está relacionado ao receio de ir aos consultórios e hospitais ou agendar consulta em caso de doença. Parte da população recorre às “farmacinhas” caseiras e assim não avaliando adequadamente os riscos ao negligenciar sintomas que podem indicar algum grau mais grave da enfermidade.

Leia também: Labirintite: Cuidados com os sinais

Os principais alvos da automedicação estão os que combatem a tosse e resfriados, dores de cabeça e muscular, problemas digestivos como diarreia e ardor no estômago. Também, completam a lista, os que combatem rinites alérgicas, queimaduras solares, aftas, hemorroidas e problemas cutâneos. No entanto, seu uso incorreto pode acarretar agravamento de doenças, visto que a utilização inadequada esconde determinados sintomas.

Nas drogarias, o farmacêutico pode indicar medicamentos para sintomas leves e orientar sobre seu uso, como administrá-lo, qual sua dosagem e horário. Ao notar a possibilidade de algo mais grave, deve recorrer a um médico.

Portanto, fique atento às possíveis complicações:

— Intoxicação, reação e dependência: doses inadequadas podem levar a ineficácia do tratamento, causar reações, intoxicação e overdose da substância, além de poder, aumentar as chances de vício;

— Interação medicamentosa: pode acometer a reação do medicamento com outro onde o indivíduo usa de forma contínua, o que pode anular ou potencializar os efeitos do outro;

— Mascara o diagnóstico correto da doença e resistência ao tratamento: a automedicação pode ser para um tratamento paliativo e esconder a real causa dos sintomas, quando não tratada corretamente, poderá agravar.

Leia também: Contratação de funcionário para sua farmácia

Por isso, antes de ingerir qualquer medicamento, recomenda-se realizar uma consulta com profissional de saúde, estar atendo as características do seu metabolismo e identificar quais seus sintomas. A automedicação pode ser perigosa, mantenha os cuidados com sua saúde.

 

Fonte: Pfizer | Portal Drauzio Varella